sexta-feira, 24 de outubro de 2008

A dupla chama - Amor e erotismo


O título acima é de uma obra de Octavio Paz (Editora Siciliano, 1995, 2ª edição), o grande poeta mexicano, que aos 80 anos demonstrou uma jovialidade impressionante ao escrever esse verdadeiro tratado que liga os dois temas.

O dicionário lhe dizia que a chama é a parte mais sutil do fogo e se eleva de forma piramidal. Esse foi o ponto de partida para ele escrever:

"O fogo original e primordial, a sexualidade, levanta a chama vermelha do erotismo e esta, por sua vez, sustenta outra chama, azul e trêmula: a do amor. Erotismo e amor: a dupla chama da vida".

Erotismo = poética corporal
Poesia = erótica verbal

Erotismo não é mera sexualidade animal, é cerimônia, é representação, é sexualidade transfigurada em metáfora.

Assim, erotismo e poesia, movidos pela imaginação e utilizando-se de ritmo e metáforas, fazem uma oposição complementar, tal como o sexo, tal como a vida.

Ilustração: “Expectation”, Gustav Klimt (imagem parcial)

4 comentários:

Marco Antonio disse...

LAURA

A mais perfeita definição da integração entre vida, erotismo e poesia que jamais li.

Petê disse...

Laurinha,

Adorei esse seu lado ensaísta. E Klimt é realmente uma delícia, não?

Beijos a 30ºC

NetDaniels disse...

あは!!!!!!!!
Assez bon!!!!!!
ほんと です!

Cláudia Cristina disse...

Gostei do quadro - é lindo...
Alguns outros pintores até pintaram o Sol no lugar do... da...do...órgão feminino ou masculino pra mostrar que o fogo, a energia vital vem daí...